Designer floral, ou artista floral, é o profissional que trabalha com a composição de arranjos, peças e decorações de ambiente que têm as flores como matéria-prima. A profissão extrapola a atuação dos floristas, porque pensa os arranjos e trata as flores de uma forma mais moderna e despojada, com um olhar desconstruído sobre as combinações mais tradicionais e conservadoras.

São várias as possibilidades de atuação para estes designers, que podem ser empreendedores, contratados por empresas especializadas e até mesmo prestadores de serviços autônomos. O mercado de flores está em alta no Brasil e, por isso, há cada vez mais espaço para estes profissionais.

O que faz, quanto ganha e o que um designer de flores precisa saber? Continue a leitura para descobrir!

Áreas de atuação do designer floral

Muitos designers florais buscam empreender e abrir o próprio negócio, ou atuar como profissional autônomo. Entretanto, esses não são os únicos caminhos possíveis para quem quer seguir essa profissão. Independente de qual seja a sua área de escolha, para se destacar no mercado é importante entender o seu nicho de atuação.

As peças florais podem ser clássicas, bucólicas,  rústicas, sofisticadas, divertidas, desconstruídas e tantas outras possibilidades. É importante que cada designer entenda ou até crie! o seu estilo próprio para poder se desenvolver e, assim, se destacar. 

Decoração de eventos

As festas e eventos são um dos terrenos mais férteis para quem quer trabalhar com design floral. Com exceção do período de isolamento social, em que as festas e aglomerações foram suspensas, este tende a ser um setor de procura contínua, por mais que as modas e tendências de decoração possam se alternar.

Para trabalhar com esse nicho é preciso, também, dominar conceitos de design de interiores, afinal os arranjos florais deverão fazer parte de toda a decoração. Nesses casos, a atenção do profissional não deve estar tanto com a unicidade de cada arranjo, mas com a criação de peças que deverão compor o ambiente da festa.

 Autosserviço 

Essa é uma área de atuação ainda tímida para os designers florais do Brasil, mas que já tem uma expressão um pouco maior em outros países. Lojas de autosserviço, como supermercados, empórios e megastores, que vendam arranjos de plantas e flores podem contratar profissionais específicos para essa função. Nos Estados Unidos, onde essa opção de trabalho é mais conhecida, o pagamento gira em média de U$18 dólares a hora.

Profissional autônomo

O designer floral autônomo, geralmente, trabalha como prestador de serviços para as demais áreas. É possível, por exemplo, atuar com consultoria para os empreendimentos de autosserviço e planejar os arranjos que serão montados pelos próprios trabalhadores das lojas, firmar parcerias com empresas de decoração de eventos ou até mesmo trabalhar na concepção de uma nova coleção de arranjos para floriculturas. 

Floriculturas

Nas floriculturas, os designers florais podem ter diversas funções. Entre as atividades que o profissional pode executar estão o manejo e preparo das flores de corte, o auxílio na montagem de arranjos e até mesmo criações próprias. Geralmente, o trabalho também inclui atendimento ao cliente e outras atividades do dia a dia da loja. 

Também é possível trabalhar com arranjos customizados para ocasiões especiais, como  pequenas cerimônias e celebrações. Nesses casos, o trabalho não chega a ser tão em larga escala como na decoração de eventos, e é pensado de forma personalizada para cada ocasião.  

Quanto ganha um designer floral

A remuneração varia bastante de acordo com a área de atuação e a experiência do profissional. Conforme o site Glassdoor, que divulga salários, benefícios e outras condições de trabalho em diversas empresas e carreiras, um designer floral experiente pode receber um salário de, em média, R$7 mil. Por outro lado, a remuneração em começo de carreira fica na faixa de R$1800.

O mercado de flores

Com a retomada de eventos como trampolim, o mercado de flores anda em ampla ascenção no Brasil. Segundo reportagem do Diário do Comércio, o setor de flores cresceu 15% em 2021 e a expectativa para 2022 é de um crescimento de mais 12%. No entanto, não são apenas os casamentos e formaturas que puxam o crescimento do mercado floral. Embora a crise econômica e a desvalorização do real tenham trazido consequências árduas para as empresas do ramo (como o aumento expressivo de custos, que em alguns casos chegam a ser até 400% maiores do que em 2019), o setor também assiste a um aumento no consumo de flores e plantas. 

Parte dessa expansão pode ser explicada por mudanças de comportamento e hábitos de consumo na pandemia. Isso, porque muita gente passou a se preocupar mais com a decoração dos lares, além de procurar meios de trazer um pouco de leveza e elementos naturais para dentro de casa. “O nosso produto está relacionado ao bem-estar e à saúde. As pessoas querem ter flores e plantas em suas casas e também presentear com flores e plantas”, explicou o presidente do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), Kees Schoenmaker, em newsletter da organização.

Além disso, as vendas de flores ainda são especialmente impactadas em datas especiais. O Dia das Mães, por exemplo, representa cerca de 20% de todo o faturamento anual. Veja abaixo um pouco sobre os valores e números da indústria floral no Brasil. 

Números

O mercado de flores tem um grande impacto na economia de todo o país. Segundo dados do Ibraflor, a indústria floral “é responsável por 209.000 empregos diretos, dos quais 81.000 (38,76%) relativos à produção, 9.000 (4,31%) à distribuição, 112.000 (53,59%) no varejo e 7.000 (3%) em outras funções, em maior parte como apoio”. O instituto também calcula que o setor contabiliza aproximadamente 800.000 empregos indiretos.  

Ainda de acordo com o Ibraflor, o mercado de flores foi responsável pela circulação de cerca de R$ 11 bilhões em 2021. Esse valor abarca toda a cadeia, desde o plantio até o consumidor final. A decoração de eventos recebeu cerca de 30% dessa quantia, enquanto as floriculturas movimentaram 17% do mercado, ou seja, quase R$ 2 bilhões em todo país. 

Mais do que pintar um retrato cheio de números do contexto atual do mercado de flores, esses índices mostram que, além de gostar de flores, ou ter aptidão estética e artística, o trabalho como designer floral exige uma boa dose de qualificação técnica transdisciplinar. Para prosperar nessa carreira, é muito importante que o profissional esteja por dentro de técnicas de arranjos e combinações de cores, mas também das tendências de consumo, flutuações econômicas e noções administrativas. 

Como é a qualificação de um designer floral

Não existe nenhuma exigência formal de educação superior para atuar como designer floral.  No entanto, a especialização adequada pode ajudar um profissional a avançar muitas etapas em sua jornada. Cada profissional deve pensar qual a melhor qualificação para a sua área de atuação. 

Quem busca empreender, por exemplo, deve se preocupar com conhecimentos de gestão e marketing, enquanto os designers focados em eventos precisam construir parcerias sólidas com outros fornecedores e estar sempre a frente das tendências. Para isso, existem no mercado diversos cursos e workshops voltados para as diferentes áreas de atuação da profissão. 

Habilidades que um designer floral deve ter

Como você viu acima, um designer de flores tem a liberdade de customizar a sua formação conforme seus objetivos e interesses de carreira. Entretanto, alguns conhecimentos e habilidades são fundamenteis para todas as áreas de atuação. Veja quais são:

Técnicas de montagem e noções estéticas

Não é a toa que a primeira habilidade que apresentamos aqui é a respeito das técnicas de montagem e noções estéticas. Afinal, é justamente esse cuidado a mais que faz com que essa profissão seja tão especial! Combinações de cores, equilíbrio nos arranjos, texturas e outros conhecimentos técnicos fazem toda a diferença na qualidade do trabalho. 

Jardinagem e cuidados de plantas

Não basta pensar nas melhores combinações de cores sem entender pelo menos um pouco do ciclo biológico das flores. Pode ser bem útil saber quais espécies florescem naturalmente na mesma época, ou qual flor se dá melhor com cada estação do ano. Esses conhecimentos vão te ajudar, principalmente, a compor arranjos florais mais duradouros, que resultarão em clientes mais satisfeitos. 

Conhecimento do mercado

Assim como em qualquer outra profissão, é muito importante conhecer a fundo o seu mercado e estar por dentro das principais notícias do setor. Isso quer dizer que, quando certo estilo de decoração ou espécie de planta está na moda, dominar o assunto pode significar oportunidades de venda. Por outro lado, se em abril uma praga atacar a plantação de rosas-vermelhas do seu principal fornecedor, pode ser interessante começar a pensar em uma nova estratégia de marketing para outras flores para o Dia dos Namorados, se esse for o seu nicho de mercado. 

Para fazer isso, é importante acompanhar fontes confiáveis de informações do segmento e buscar sempre se atualizar, seja com palestras e workshops, seja com estudos autodidatas. O hábito de investir na própria carreira não só fará com que você seja um profissional melhor, mas que também tenha um retorno financeiro maior pelo seu trabalho. 

A Flora de Série é conhecida por oferecer vários cursos e workshops, para profissionais do mercado ou amantes das flores. Uma das possibilidades é a mentoria individual, pensada exclusivamente para a demanda de cada empresa ou designer floral. Clique aqui para saber mais sobre ela, ou entre em contato com a nossa equipe!  

WhatsApp chat